segunda-feira, 9 de maio de 2011

Destination Unknown - Parte 03

Essa é a continuação do conto. Divirtam-se!
E não se esqueçam de deixar comentários!!
A opinião de vocês é muito importante!!

Para quem não leu: (Parte - 02)
________________________________

Depois que terminaram o jantar, eles ainda se serviram de sobremesa. Não foi mais fácil escolher o que queriam entre as opções do que havia sido no jantar. Havia frutas em calda quente, três tipos de bolo, um pudim apetitoso e um pavê de chocolate de dar água na boca. Depois de saborearem mais de uma dessas delicias os dois se retiraram do salão de jantar e foram para a sala que ficava logo ao lado da recepção.

- Essa é a foto de que eu te falei - Benjamin disse parando em frente a uma poltrona rústica e olhando para o painel que ficava por cima dela e devia ter pelo menos uns 30 cm de altura por 50 cm de largura. Nela estava o salão de jantar do hotel e muitas pessoas estavam de pé no que parecia ser um baile. As roupas que elas usavam eram sem dúvida da década de 50 e o salão era o mesmo, nos móveis e na decoração. 
- Realmente parece coisa antiga. Esse hotel não é nada novo.
- Também achei, mas é um bom lugar.
- É verdade - Victória concordou. Ela continuou olhando outras fotos menores tão antigas quanto aquela, enquanto Benjamin olhava os outros objetos antigos que faziam parte da decoração da sala - Ben - Victória chamou - vem ver uma coisa.

Enquanto Benjamin atravessava a sala indo ao encontro da esposa, a porta principal do hotel na recepção foi aberta de súbito e por ela entraram cinco homens fortemente armados e encapuzados que surpreenderam Eva atrás do balcão da recepção.

Benjamin correu para perto de Victória e junto com ela se sentou no chão ao lado do sofá se escondendo bem na hora em que dois dos homens correram para dentro do salão de jantar. Por sorte os bandidos aparentemente não tinham visto os dois escondidos atrás do sofá.

Os bandidos foram pegando tudo de valor que estava acessível - entregue todo o dinheiro! - um deles gritou para Eva.
A mulher tremia muito e tinha dificuldades para abrir o cofre.
- Pensa que temos a noite toda? - o homem apontou a arma na direção de Eva.

Benjamin tentou se levantar pensando em ajudar, mas Victória o segurou - é suicídio, eles estão armados. - Ela sussurrou. Ele se sentou novamente. A esposa tinha razão. Nada podia ser feito contra aqueles homens tão bem armados. No entanto, era impossível não perceber o quanto aquelas armas eram estranhas. Pareciam ter saído de um filme antigo de gângster. Nessa hora ele chegou a duvidar se elas realmente funcionavam, mas sua dúvida foi sanada quando o bandido disparou um tiro contra Eva acertando-a no peito.

- Que droga Charles! Será que você não sossega esse dedo no gatilho? - um dos bandidos gritou irritado.

Do salão de jantar, um homem veio correndo desesperado gritando por Eva. Victória e Benjamin reconheceram Carson, o garçom que havia lhes servido o vinho. Atrás dele outro bandido o seguia e atirou nele.

- Bando de incompetentes! Quem vai abrir o cofre agora? Vocês atiraram nos donos da droga do hotel! - o bandido, que parecia ser o chefe do bando, gritou novamente.

No salão de jantar, havia ficado apenas um homem, e as pessoas que estavam presas lá pareciam ter resolvido reagir. O que se seguiu foi uma mistura de gritos e barulho de coisas quebrando.

- Vamos dar o fora daqui! - um dos bandidos gritou.

Sem se preocuparem com o homem que havia sido golpeado e agora estava caído no salão de jantar, os 4 integrantes do grupo fugiram para o pátio do hotel. Benjamin se levantou rapidamente e chegou à janela que estava do lado direito dos dois para olhar se os bandidos realmente estavam indo embora. Victória também se levantou e ficou ao lado dele. Os bandidos fugiam em um Bentley S1, daqueles que só se vê em museus, levando apenas o que haviam conseguido recolher.

No entanto, ao contrário do que os homens pensaram, Carson não estava morto. Ele se levantou e mesmo com um ferimento no abdômen que sangrava muito, atravessou a sala e acolheu Eva, que estava caída atrás do balcão, entre seus braços. Lágrimas escorreram dos olhos dos dois, mas eles não tinham força para dizer nenhuma palavra. Apenas se beijaram. O que provavelmente seria o último beijo de suas vidas.

- Temos que pedir ajuda - Victória retirou seu celular de um bolso no vestido. - Sem sinal - ela olhou desapontada para o marido.

Ele retirou seu celular do bolso, mas também não havia recepção do sinal da antena para ele.

- Como a gente não percebeu que estava sem celular? - Victória perguntou. - Alguém deve ter um que funcione no salão.

Os dois saíram correndo em direção ao salão de jantar. A confusão havia tomado conta do local. Várias mulheres estavam assustadas, algumas crianças chorando e os homens tentando acalmá-las. Perto do bandido, que havia sido deixado para trás por seus comparsas e ainda estava desacordado, estava um homem medindo sua pulsação. Benjamin e Victória imaginaram que ele seria um médico e resolveram pedir ajuda para Eva e Carson que haviam sido baleados.

- O senhor é médico? - Benjamin perguntou tocando o ombro do homem. - Tem duas pessoas baleadas na recepção.

Não dava para saber se o homem havia ouvido Benjamin ou não, pois a agitação abafava qualquer tentativa de comunicação no local. Entretanto, ele se levantou sem dizer uma só palavra e seguiu para a recepção.

- Alguém tem um celular que esteja funcionando? - Victória perguntou, mas as pessoas pareciam assustadas demais para responder qualquer coisa. - O que a gente faz? - ela perguntou ao marido. - Inútil continuar tentando - ela olhava aflita para as pessoas no salão. - Parece que ninguém quer falar com a gente. É quase como se ninguém estivesse nos vendo.
- Mas temos que fazer alguma coisa - disse Benjamin. - Vamos lá fora. Quem sabe em algum lugar mais alto do terreno consigamos sinal.

Os dois saíram do salão de jantar. Estava completamente escuro lá fora. Apenas alguns postes de ferro do jardim clareavam o caminho. O vento soprava tão gelado que parecia congelar os ossos, mas Benjamin e Victória não desistiram. Fora da área de lazer do hotel havia o que parecia ser uma pequena floresta. Os dois hesitaram um pouco antes de entrar no meio das árvores, mas talvez a copa alta de uma árvore fosse a resposta mais plausível naquele momento.

Os dois pararam debaixo de uma árvore.
- Me ajuda a subir - Victória pediu. Nessas horas ela achava que sua altura mediana não ajudava muito.
- Não. Melhor eu ir - Benjamin, que era um pouco mais alto que a esposa, sugeriu.
Victória sorriu - um dos meus passatempos preferidos nas férias quando eu era criança. - Ela conseguiu agarrar um galho mais baixo e subiu na árvore com agilidade - nem pensar que eu perco essa chance. - Benjamin passou seu celular para ela. Victória escalou pelos galhos da árvore.
Quando chegou a um local que julgou alto o suficiente segurou um aparelho em cada mão.
- Então? - Benjamin perguntou ansioso. - Algum sinal?
- Nenhum dos dois - ela respondeu desapontada olhando para o seu celular e o do marido.

Um estampido vindo de dentro do hotel chamou a atenção dos dois. Victória começou a descer da árvore e Benjamin apenas a esperava para poderem ir ver o que acontecia, mas um vento muito forte começou a soprar. Os galhos das árvores balançavam tanto que Victória teve que parar de descer e se segurar onde estava para não cair. Benjamin se segurou na árvore, pois estava difícil se manter em pé.

As folhas caídas no chão e as que se soltavam rodopiavam em volta dos dois, parecia a aproximação de um furacão. No entanto, de repente, tudo ficou quieto e escuro. Apenas a lua cheia clareava o local. O único som que se ouvia era o canto dos pássaros ao longe. Victória terminou de descer da árvore e foi amparada por Benjamin.

- Você está bem? - ele perguntou preocupado.
- Acho que vou precisar de uma meia-calça nova - ela respondeu sorrindo enquanto tentava se livrar das folhas presas em seu cabelo. - Ben, está ouvindo? - Victória perguntou. - Sirenes! A polícia deve estar chegando.
- Talvez alguém no salão tenha conseguido sinal - Benjamin continuou.
- Ou talvez tenham usado um telefone fixo - completou Victória. - Devíamos ter pensado nisso.

Os dois correram para a entrada do salão de festa por onde eles haviam saído alguns minutos atrás, mas ao entrarem, se espantaram com o que viram. Ou melhor, com o que não viram. O salão estava na mais completa escuridão. As janelas antes abertas agora estavam trancadas e com as cortinas cerradas. As cadeiras estavam sobre as mesas e o que não estava protegido por um pano branco estava coberto de poeira. Os faróis do carro da polícia vindo pela estradinha que dava acesso ao Hotel Magnólia era a única iluminação da qual eles dispunham ali dentro.

Benjamin e Victória deram as mãos e foram andando pelo salão, anteriormente bem iluminado, guiando-se agora pelo tato até o atravessarem por completo sem entender o que estava acontecendo. Eles passaram pela pequena sala onde estavam as fotos antigas e foram para a recepção, saindo pela entrada principal no saguão e parando no jardim, antes vistoso, nada parecido com seco e morto que viam agora.

- Quem são vocês? - perguntou um dos policiais que saiu de dentro do SUV. Seu uniforme estava bastante esticado mostrando que o policial já precisava de um número maior.
- Benjamin e Victória Shepherd. Somos turistas. Moramos em Nova Iorque - Benjamin respondeu.
- Tem alguma identificação que possa confirmar isso? - ele coçou os cabelos grisalhos. 
- Temos. Está na nossa bagagem, no quarto - Victória respondeu, mas não estava certa de se deveria ter anunciado que estavam hospedados no hotel. Ao que parecia muitos anos havia se passado desde que o ultimo hóspede havia estado ali.
- Como vocês vieram parar aqui?
- Nós estávamos na estrada e vimos uma placa que indicava um hotel e viemos conhecer - Benjamin respondeu.
- Vocês não vieram atrás dos fantasmas do Hotel Magnólia, não é?
O outro policial desceu do carro - fazia tempo que não aparecia ninguém por aqui atrás dessa história - ele comentou - ele era um pouco mais novo e mais magro que seu chefe. 
- Fantasmas? - Victória tentou disfarçar o nervosismo. - Não, - ela olhou para Benjamin na tentativa que ele a ajudasse. - Nós realmente...
- Viemos procurar um hotel para passar nossa lua de mel - Benjamin abraçou a esposa e sorriu.

O policial mais velho deu uma gargalhada que surpreendeu até mesmo seu parceiro - é, parece que vocês caíram na armadilha dos fantasmas então. Vocês não vieram atrás deles, mas eles foram atrás de vocês! - O homem lacrimejando enquanto sorria. - Eu te falei, - ele se virou para o parceiro. - Que as luzes que vinham do hotel eram de gente viva.  
Todos esboçaram um tímido sorriso um para os outros na esperança de logo saíram daquela situação constrangedora.
- Temos que buscar nossas coisas lá em cima - disse Victória.
- Sim, vão lá. Nós vamos mostrar a vocês um hotel onde podem ficar. Sem fantasmas! - o policial chefe sugeriu voltando, ainda rindo, para o SUV.

Victória e Benjamin sorriram para eles e voltaram para dentro do hotel. O policial mais novo permaneceu parado no jardim fitando o hotel. O casal subiu a escada em silêncio. Benjamin entrou por último no quarto e fechou a porta atrás de si. Victória ficou parada em meio a bagagem olhando para ele. Lágrimas escorriam de seus olhos e ela tremia muito.

- Ei, fique calma - Benjamin a abraçou. - Já passou, seja lá o que tenha sido isso - ele disse.

A luz do luar entrava pela janela de forma tão intensa que iluminava muito bem o quarto. A colcha que eles haviam colocado para secar na janela ainda estava lá e foi escorregando devagar até cair no chão. Isso assustou Victória ainda mais.
- Vamos dar o fora daqui - ela pediu se afastando de Benjamin e jogando as roupas de qualquer jeito dentro da mala.
- Espere, eu vou colocar a colcha como estava pelo menos - ele disse indo para o outro lado da cama.
- Não Benjamin! - Victória implorou.
- Fique calma. A colcha só caiu - ele pegou o tecido no chão. - E já está seca - ele estranhou o fato, mas preferiu não se pronunciar sobre o assunto.
- Claro que está! Não havia água pra molhar ela! - Victória gritou impaciente. Mesmo sem Benjamin falar nada ela havia chegado à mesma conclusão.
- Desse jeito você vai chamar a atenção dos policiais lá embaixo - ele sussurrou. - Também só quero dar o fora daqui - Benjamin sacudiu a colcha. Algo se soltou dela e voou pelo quarto caindo próximo de Victória - O que caiu? - ele perguntou.
- Um jornal - ela respondeu imóvel.
Benjamin colocou a colcha de qualquer maneira sobre a cama e pegou o jornal no chão. Estampado na primeira página estava uma foto do hotel.

- Senhor e senhora Shepherd, está tudo bem aí em cima? - gritou um dos policiais que os esperava.
- Vamos embora - Benjamin disse - eu vou levar isso. - Ele enrolou o jornal e o colocou na mochila - sua esposa que estava assustada e não havia gostado da ideia. - Hey, linda, isso é só um jornal. Pode ser encontrado em qualquer lugar.
- Se ele nos trouxer problemas você vai queimá-lo.
- Que tipo de problemas? - Benjamin sorriu. Vendo que sua esposa estava realmente assustada, preferiu concordar com a condição. - Okay, eu prometo.
Victória abriu a porta do quarto e saiu seguida por Benjamin que levava sua mochila e a mala dela.

*** Continua - Final - ***

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Agradeço muito a sua visita!
Deixe um comentário!

- Atenção:
Ao comentar você concorda com as políticas de comentários do blog. Caso tenha dúvidas sobre como comentar, ou queira saber quais são essa políticas, acesse: Políticas de Comentários.

Obs: Os comentários dos leitores não refletem a opinião do blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...