domingo, 29 de junho de 2014

[Devaneios Noturnos] #1 - Sonhos e Realidade

Minha vida é boa, e não tenho do que reclamar. Sou uma pessoa feliz e agradecida pelo que tenho. Acordo todos os dias com vontade de voltar pra cama, mas logo venço essa vontade tomando café ou indo caminhar. à tarde às vezes tenho curso, às vezes fico na internet. As vezes passo um tempo conversando com as pessoas que eu gosto ou sozinha lendo. Tudo muito bom...

Mas...

Aí eu durmo e sonho que sou uma princesa (das modernas, tipo Snow White de OUAT) e estou grávida e fugindo, ao lado do amor da minha vida (tipo Prince Charming da mesma série) de alguém muito perigoso que quer nosso mal. Rola de fuga em carro sport branco, isso depois de abandonar o carro escuro em que estávamos, até um momento fofo onde meu amado vai atrás de umas coisas para mim que grávida de muitos meses estou com a locomoção limitada. Nem dá vontade de acordar!

Assim não dá! Porque a vida tem sempre que ser mais emocionante dentro da minha cabeça?

terça-feira, 24 de junho de 2014

[Refletindo] Fases da Vida

Quando começamos a perceber o mundo, fazemos o que gostamos. Desde que não seja errado, o que pode gerar punições, escolhemos os filmes que gostamos, os livros que lemos e nosso sabor de suco favorito. Se encontrarmos pessoas com os mesmos gostos ficamos amigos, mas mesmo com gostos diferentes, as amizades podem existir. Todo mundo é mais sincero e não fica se anulando para agradar o outro.

À medida que crescemos, o medo da solidão e do isolamento é tanto que se faz qualquer coisa para se pertencer a um grupo. Até mesmo se anular ou transgredir as regras. O medo de terminar em uma cadeia é menor do que o medo de não ser aceito pelo grupo. Isso é triste. E a maioria nem percebe que faz isso.

Mas um dia você percebe que fazer tudo o que os outros querem para ser parte de um grupo não te faz feliz. Não há idade definida para isso acontecer. Pode ser antes dos 20 ou depois dos 50 e volta a se comportar como no início. Não sente vergonha de ser quem você é e gostar do que gosta. É bom com os outros porque percebe que isso é uma coisa boa, e não para se enturmar. Dessa forma, não se anula, mas passa a viver em paz consigo.

Para mim, essas são as 3 grandes fases da vida. Não são delimitadas pela idade, mas sim pelo seu comportamento e como você encara o mundo. O jeito é torcer para que a 2ª fase seja o mais curta possível.

sexta-feira, 13 de junho de 2014

Guardado e Esquecido

"A primeira vez em que eu me apaixonei foi em 1993. Paixão pré-adolescente que deixa sem fôlego, o coração dispara, pupilas dilatam e as mãos suam. Mas não deu certo. Ele ficou sabendo, mas não se interessou. Normal. Nem sempre as coisas saem como a gente quer.
A segunda vez que eu me apaixonei foi no ano seguinte. Não foi exatamente uma paixão individual. A maioria das meninas da mesma idade era apaixonada pelo carinha na escola. Imagino que ele deve ter namorado alguma. Não eu, claro.
Já na terceira paixão, começou com um cuidado. Um dos meninos da turma precisava de muletas e alguém que levasse suas coisas até a porta da escola. Aquele menino que precisava de ajuda chamou minha atenção e logo o carinho com ele foi se transformando em paixão. Platônica mais uma vez, pois mesmo com toda atenção, o garoto não se interessou. Comecei a achar que deveria haver algo errado comigo.
Quando completei 13 anos tive minha paixão mais duradoura. Ele era muito diferente dos outros. Chamava atenção pelo seu jeito nerd de ser. Meu primeiro contato com esse grupo de pessoas. Passou a povoar meus sonhos, meus pensamentos. Tudo era para ele. Ficamos próximos, mas saber que eu era apaixonada por ele nunca permitiu que fôssemos realmente amigos. Tinha sempre uma tensão entre nós. Foram 3 longos anos até que eu desencanasse, porque reciprocidade dele eu nunca tive.
Nessa época tive que começar a mentir para os colegas de escola que começavam a contar com quantos meninos ficavam. Eu tinha vergonha de ser a única bv da turma.
Aos 16 anos, já com poucas esperanças de conquistar qualquer garoto, um dom diferente aflorou em mim. Apaixonei-me outra vez. Mas no meio do processo apareceu um alguém. Uma menina. Que também era apaixonada pelo garoto. Ela pediu minha ajuda para conquistá-lo, e eu, como não tinha muitas esperanças de que ele me escolhesse já que isso nunca acontecia, ajudei, e vi o casal se formar e ser feliz até os últimos dias de colégio.

terça-feira, 10 de junho de 2014

A culpa é da incerteza...

Eu imaginei uma cena e quis escrevê-la com trilha sonora, mas cada momento ganhou a sua. Ao final de cada momento, a música e seu cantor estarão entre parênteses e deixarei um link com os vídeos correspondentes a cada música no final do texto. Espero que vocês gostem do resultado!


Eles chegam à bilheteria do cinema. Ela compra os ingressos. As cadeiras são numeradas. O primeiro vai para a menina mais chata da turma, de quem eles não conseguem se livrar. Talvez por pena, talvez porque se acostumaram com a presença e as piadas sem graça dela. O segundo e terceiro ticket vão para o casal de namorados. Ela fica com o quarto e entrega o quinto a ele. Seu medo é que ele troque o bilhete com alguém para se sentar mais longe, mas ele não faz isso. Ela suspira aliviada. (Atlas - Coldplay)

O filme é emocionante. Metade do cinema está às lágrimas. Mas ela não. Nem ele. Seus olhos se encontram quando eles vão conferir se o outro está chorando. Sorriem, tímidos. Ele segura a mãe dela. Ela olha para ele. Não acredita no que está acontecendo. Ela sorri. Ele sorri de volta. O filme já não é mais o foco da atenção dos dois. (The Call - Regina Spektor)

- Achei que não gostasse de mim - ela diz.
- Só era tímido demais para admitir - foi a resposta dele.
- Tem coragem agora? Com todos eles aqui?
- Não me importo mais - ele diz.
Eles trocam mais um sorriso. Seus rostos mais próximos. Seus lábios se tocam levemente.
- Tem certeza?- é a pergunta dela. 
- Nunca tive tanta certeza na vida.

O segundo beijo é mais demorado. E mais intenso. Todos percebem. Os amigos estão surpresos. Um trio de adolescentes na fileira de trás acha fofo e dois desconhecidos mais ao fundo do cinema gravam a cena com o celular.

domingo, 8 de junho de 2014

E no vigésimo primeiro ano...

O próximo dia 12 será dia dos namorados. O meu 30º desde que eu nasci em Julho de 1983. Considerando que a primeira vez em que eu apaixonei foi aos 10 anos esse será meu 20º dia dos namorados. E, como sempre, solteira. 

Na década de 90, onde eu fui criança e adolescente, nós não éramos tão expostos e incentivados aos relacionamentos como hoje. A moda do "ficar" surgiu por volta dos meus 15 anos, mas aprendi e me acostumei a ir com calma, amizade primeiro, namoro depois. Beijar sem compromisso não é para mim. Não vou dizer que nunca acontecerá, mas com certeza é uma possibilidade bem improvável. 

No entanto não foi isso que me inspirou a escrever esse texto e sim a matemática e a história da "Bela e a Fera". Calma, vou explicar. Nunca fui Bela. Não faltaram pessoas que me dissessem isso. Foram tantas que, quando outras dizem o contrário, já não acredito. Então, sou  Fera. E no ano que vem será o meu 21º dia dos namorados. Agora consegui enxergar a maldição. Mas será que conseguirei quebrá-la?

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...