quarta-feira, 5 de setembro de 2012

O Dilema do Cupido

Sentada de frente a uma pequena mesa em um aconchegante café, ela contemplava alguns casais enquanto bebia seu expresso sem açúcar coberto com creme. Não era muito bonita, mas também não era feia. Era uma garota comum de altura mediana e cabelos castanhos caindo pelas costas. Mas ela não era como as outras garotas. Apesar de sua forma, ela não era humana. Alice era um cupido. Longe dos cupidos das estórias com bebês rechonchudinhos segurando um pequeno jogo de arco e flecha, ela, assim como seus colegas de “profissão”, tinha a aparência humana e compartilhava algumas de suas fraquezas.

O tilintar do sininho sobre a porta chamou a atenção de Alice. Sua amiga, de infância e profissão, acabava de entrar e se dirigiu até sua mesa depois de pedir um cappuccino à garçonete.

- Conseguiu terminar a missão, Alice?
Alice apenas concordou com um aceno de cabeça.
- Ai amiga. Quando você vai se acostumar? É a nossa profissão.
- Não sei como você consegue Bianca.
- Você tem que parar de pensar em você. Só assim vai conseguir terminar bem um trabalho.
A garçonete trouxe o cappuccino de Bianca.
- Obrigada - ela agradeceu antes da mulher ir embora. Bianca bebeu um pouco do cappuccino e continuou: - você precisa parar de procurar um namorado. Sabe que somos poucos e temos muito trabalho. A chance de você encontrar um cupido solteiro e afim de um relacionamento é bem pequena.
Alice “deu de ombros”.
O que a deixava aborrecida nesse trabalho era como ele acontecia. Não era difícil, mas para Alice estava sendo cada vez mais doloroso. Isso porque um cupido precisa primeiro se apaixonar pelo humano que irá “flechar” e depois apresentá-lo a alguém.
Com a presença do cupido é certo que o par acabe se apaixonando e o cupido termina de coração partido “segurando vela” para mais um casal apaixonado. No entanto, se um cupido tentar levar adiante um romance com um humano, fatalmente terá problemas. Como o cupido ainda tem seus poderes, se ele apresentar uma pessoa ao seu cônjuge humano, esse ficará instantaneamente apaixonado por esta pessoa. O cupido só pode se entregar ao amor caso encontre outro cupido e se esse também se apaixonar. Dessa forma ambos perdem os poderes de cupido e os privilégios e passam a viver como humanos.

- Alice, nós temos uma vida confortável garantida. Temos bons apartamentos para morar, roupas de qualidade, tudo o que quisermos comer e dinheiro para gastar nas nossas missões. Tudo bem que a gente bem que merecia um pouco mais...

Alice sorriu.
- Que cupido vai querer abandonar isso? - Bianca continuou - nem mesmo você vai querer ficar sem seu chá de Morangos do Algarve.
Alice sorriu - talvez você esteja certa. Eu só queria ser assim como você e me recuperar da paixão tão rápido.
- Com o tempo você vai conseguir. Você vai ver - Bianca incentivou. - Bem, agora tenho que ir. Você já terminou a sua missão, mas eu ainda vou acompanhar o novo casal que eu formei em uma festinha - ela terminou o cappuccino.
- Também já vou - Alice terminou o café e as duas seguiram em direção onde ficavam os apartamentos das duas. Elas se despediram ao sair do elevador.

Alice entrou em casa. O apartamento era grande e confortável. Ela morava nele desde que começara a realizar seus trabalhos aos 20 anos. Durante a adolescência, Alice, assim como qualquer outro cupido, sabia que era diferente das outras pessoas, mas só quando recebeu a visita de alguém que a explicou o que ela realmente era, tudo começou a fazer sentido. Todas as paixões em sua adolescência haviam sido platônicas e cada vez que mais um casal se formava em seu ciclo de amigos, ela se sentia deixada de lado. Hoje ela já estava mais conformada com a situação, apesar de tudo, ficava feliz por ter o poder de fazer as pessoas se apaixonarem umas pelas outras.

Ela colocou a bolsa que carregava na bancada da cozinha e sorriu ao ver a caixa com os sachês de chá de Morangos de Algarve. Ela havia feito a encomenda pela manhã ligando para o escritório central dos cupidos, e o pedido havia sido deixado em seu apartamento como de costume. Alice preparou o chá e se sentou no sofá, de tecido negro e preenchimento de silicone, que Bianca a havia feito escolher de um catálogo quando montava o apartamento, acompanhada de Aslan, seu gato siamês para assistir seu seriado favorito na televisão.

Bianca entrou em casa. Seu apartamento tinha o mesmo padrão sofisticado do de Alice e ficava a apenas duas portas de distância. As duas eram as únicas cupido do prédio, talvez do bairro. Ela seguiu direto para o banheiro e preparou a hidromassagem para um banho de espuma. Ela também tinha um gato, mas Wuffy, um persa branco, dormia preguiçosamente sobre sua cama. Bianca colocou um CD de música clássica para tocar e entrou na banheira. Ela ainda pensava na rápida conversa que tivera com Alice. Apesar de ver o sofrimento da amiga, tudo o que ela mais queria era manter-se apaixonada.

Embora tivessem o mesmo tempo de profissão, depois de passar por tantas desilusões amorosas, o que significava que facilmente os cupidos chegavam aos vinte anos sem nunca terem namorado ou sequer beijado ninguém, o que era consequência natural de ser o que eram, a maioria perdia a capacidade de se manterem apaixonados por muito tempo. Esse era o dilema do cupido. Faziam as pessoas se apaixonar, mas não conseguiam sentir-se atraídos por alguém por tempo suficiente para tentar conquistar a pessoa por quem haviam se apaixonado. Eles simplesmente perdiam o interesse.

Apesar de tudo, os cupidos geralmente não abandonavam a profissão. Recebiam toda espécie de apoio de uma central que eles apenas imaginavam onde poderia ficar. E eles sabiam de sua importância. Sem os cupidos o mundo estaria com os dias contados. Sem a paixão para inspirar as pessoas, o amor encontraria dificuldades para se manifestar. E sem o amor, o mundo pereceria em guerras.

12 comentários:

  1. CONTINUAAAAA!
    Falando bem sério adorei! Agora o legal é continuar né? O que vai acontecer com a Alice? E com a Bianca?
    Fiqueiii beeeem curiosa!
    Adorei seu estilo de escrita, realmente!

    Parabéns!!!!!!!!!!

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz mesmo que você tenha gostado! :D
      Bom, essa estória ainda é meio "bebê", tenho que deixar ela desenvolver um pouquinho para ver onde vai terminar! Qual a decisão que cada uma vai tomar. Tenho algumas ideias, mas nada definitivo ainda... mas pode deixar que quando tiver vou postar!

      Obrigada! Esse é um estilo que eu acho meio contemplativo. As ações acontecem devagar. Gosto de usá-lo às vezes, quando tenho uma estória mais lenta.

      Obrigado mesmo!! :D

      Beijussss;

      Excluir
    2. Ficou ótimo mesmo, flor! Difícil, mas você conseguiu prender minha atenção.

      Planeje os acontecimentos, não precisa ter pressa.

      Quando tudo estiver OK, continue a postar para que eu possa ler *-*

      beijos!

      Excluir
    3. Mais uma vez obrigada! :D

      Farei isso. Estou treinando para escrever textos menores, mas tudo o que eu escrevo parece pedir uma continuação.... não sei o que fazer... rsrs....

      Beijusss;

      Excluir
  2. Também fiquei com um gostinho de quero mais. Continua que tá bem interessante. Mas te confesso que me deu um aperto no peito enquanto estava lendo. Vc sabe pq, né?

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como eu falei com a Luene, preciso deixar essa estória desenvolver um pouco antes de continuar, mas prometo que o farei! ^^
      Obrigada! :D

      Ahh.... sério??

      Beijusss;

      Excluir
  3. bom, é dificil eu gostar de blogs que narram histórias, mas a tua realmente me chamou a atenção.
    voltarei mais vezes para acompanhar essa saga de Alice. (:

    adoraria se me seguisse, www.cofffeandcigarretes.blogspot.com

    beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continuarei a escrever a estória dela, mas há também estórias de outros personagens que figurarão por aqui! ^^

      Volte sempre!!
      Vou agora visitar seu blog!!

      Beijusss;

      Excluir
  4. Olá vou confessar olhei o titulo e achei interessante mas não gosto de textos longos então decidi ler só o começo mas gostei da estoria e acabei lendo inteiro, achei muito legal você humanizar os cupidos, tadinha da Alice sempre sozinha, mas os cupidos envelhecem? Essa estoria vai dar muito pano pra manga, parabéns mesmo espero que continue a escrever

    Ps. Se puder me avisar quando tiver algo novo ficarei feliz por que as vezes demoro pra voltar em um blog por causa da falta de tempo hehe

    bjos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que você tenha gostado e animado em ler o texto todo!! ^^

      Ainda não tinha parado para pensar nesses aspectos. Talvez eles envelheçam mais devagar... quem sabe?! Vou perguntar para ela! hihi

      P.S.: Pode deixar que eu aviso sim! Já tenho ideia para a segunda estória. Não será bem uma continuação (eu acho. Posso mudar de ideia), será algo mais do tipo: Como tudo começou?

      Beijussss;

      Excluir
    2. Hum interessante é bom falar do principio, ah eu perguntei do envelhecimento por que sempre que vejo uma estoria penso em todos os detalhes acho que é costume por causa dos livros que eu leio, gosto de fantasia então tem que ter detalhes já que é algo que não existe hehe

      Vou voltar pra ler a próxima estoria

      bjos

      Excluir
    3. Concordo!
      O autor pode criar o mundo que quiser, mas ele tem que fazer sentido, ou não... mas pelo menos tem que explicar tudo que puder! Eu me policio bastante pra fazer assim.
      Mas sabe quando você está com uma ideia na cabeça e esquece de escrever alguma coisa??

      Volte sempre! Será muito bem vinda!!

      Beijusss;

      Excluir

Agradeço muito a sua visita!
Deixe um comentário!

- Atenção:
Ao comentar você concorda com as políticas de comentários do blog. Caso tenha dúvidas sobre como comentar, ou queira saber quais são essa políticas, acesse: Políticas de Comentários.

Obs: Os comentários dos leitores não refletem a opinião do blog.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...