quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Aparência

Que péssimo”, ela praguejava em seus pensamentos. “Bem hoje eu tinha que ficar sem internet e acabar nesse infocentro”. Mariana achava ruim usar o infocentro comunitário porque as pessoas que frequentavam o lugar pareciam desconhecer completamente o significado da palavra comunitário e deixavam os computadores em péssimo estado de conservação.

As 20 máquinas estavam ocupadas e ela teve que esperar ao lado da porta da sala. Os computadores estavam dispostos sobre mesas longas. Quatro sobre cada mesa com cadeiras de plástico dispostas de frente a eles. Nas paredes da sala, cartazes com normas de uso, haviam sido colados, mas eram amplamente ignorados. Ela teve certeza disso quando um dos computadores finalmente foi desocupado. O garoto que o estava usando. Havia praticamente um ninho feito de papel de bala em volta do teclado. Mariana suspirou ao se sentar de frente à máquina e começou a juntar os papeizinhos os jogando na lixeira antes de começar a usar o computador.

Uma menina na máquina ao lado dela, que usava fones de ouvido com uma música alta tocando, sorriu em meio a um deboche enquanto estourava uma bolha de chiclete em frente ao rosto e colocava a goma de volta dentro da boca para continuar mastigando.

Antes de começar sua busca, Mariana checou seus e-mails. Depois passou a checar seu perfil em diversas redes sociais onde ela mantinha contas sempre atualizadas. Ela se distraiu e não percebeu a hora passando. Mariana distanciou seus olhos por um instante do monitor e se assustou ao perceber quanto tempo havia gasto e ainda nem tinha começado a pesquisa que havia ido fazer. A tarde havia se tornado noite, e os frequentadores do infocentro começaram a mudar.

domingo, 16 de outubro de 2011

[Poesia] Beyond the Visible

Não existe melhor estimulante do que a imaginação.
Não importa quanto café você tome,
nada pode te deixar mais desperto
do que imaginar um mundo
e criar personagens para habitá-lo.

Deus criou o mundo,
e ao final descansou,
porque é virtualmente impossível
dormir em meio ao processo criativo.

Dar-lhes vida,
e certa quantidade de livre-arbítrio
para conseguir contar sua estória
pode te manter acordado por horas.

Uma dádiva e uma maldição,
uma benção e um desalento.
A única coisa que nunca conseguirei imaginar,
é como é possível viver em um só mundo,
absolutamente real e tangível.

Ensino enquanto crio,
mas também aprendo.
É um dom de poder incalculável,
que exige todo o cuidado
sendo muita força necessária para controlá-lo.

Seria muito perigoso,
se algo saísse do controle,
ou caísse em mãos mal intencionadas.

Pois, por trás de cada palavra,
há segredos individuais.
Diferentes para quem as escreve,
Diferentes para quem as lê,
Diferentes para quem as ignora.

Helaina - 13/10/2011


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...